• 14 Mai 2020

Passaportes de imunidade e zonas para turistas: é este o futuro das viagens

Os países começam a discutir novas estratégias para ressuscitar o setor e as economias que dele dependem. Mas nem todos o vão poder fazer.

Por Daniel Vidal
Fonte: NIT - New in Town

Em 2018, Portugal batia um recorde de turistas estrangeiros com 12,76 milhões de visitas. Um ano depois, o número foi pulverizado: mais de 16 milhões de turistas internacionais passaram pelo País. O impacto da pandemia deverá impedir mais um registo histórico em 2020 — e nem o facto de os números da crise do coronavírus serem relativamente suaves, quando comparado com outros países mais afetados, deverá ajudar Portugal a escapar da crise no turismo. 


Além de figurar na lista dos países europeus com maior queda no turismo — estima-se a diminuição possa rondar valores de 40 por cento, só batidos por Itália e Espanha, as duas grandes vítimas da Covid-19 —, é apontado pela União Europeia como um dos casos críticos em que a indústria é uma peça essencial da economia. É a própria UE quem procura encontrar, em conjunto, soluções para ajudar países como Itália, Grécia, Croácia, Espanha e Portugal, revela o “The Times”


No final de abril, ministros europeus do turismo conferenciaram e procuraram definir regras e protocolos que permitam o regresso da atividade já em 2020, ainda que condicionada. A lista de medidas está ainda por conhecer, embora muitas delas comecem já a ser faladas e até aplicadas noutros continentes. 


As bolhas turísticas


Ao mesmo tempo que as bolhas sociais ganham relevância, começam a surgir ideias semelhantes que possam ser reproduzidas numa escala ainda maior. Da mesma forma que se começa a permitir a quebra do isolamento e o convívio entre grupos restritos de pessoas, também os próprios países pretendem abrir corredores turísticos para criar uma espécie de bolha.


Essa é uma das ideias em cima da mesa dos responsáveis europeus, que colocam a hipótese de reabrir rotas de países menos afetados pela crise pandémica. Uma possibilidade que estaria vedada aos estados que enfrentaram surtos violentos.


Mesmo esta hipótese de permitir que turistas viajem entre dois ou três países pressuporia na mesma a imposição de um distanciamento social e de programas de testes rigorosos, de forma a que haja um controlo apertado de qualquer eventual surto.


Um exemplo próximo é o do trio da Europa oriental. Estónia, Letónia e Lituânia pretendem abrir fronteiras entre si e apenas para cidadãos dos seus estados já a 15 de maio. Também a República Checa, em conjunto com os vizinhos da Eslováquia e da Croácia — países com registos pandémicos menos graves —, ponderam a abertura de um corredor turístico


Do outro lado do mundo, Austrália e Nova Zelândia delinearam uma destas bolhas, que deverá entrar em vigor dentro de alguns meses. O mesmo sucede com Vietname e Tailândia.


Este tipo de acordos que permitem a sobrevivência do setor deverão ser cada vez mais comuns, revela à “CNN” o analista de aviação Brendan Sobie, que explica que os países irão escolher parceiros com baixo número de infetados e um apertado controlo da pandemia.


Criação de hotspots


Poderá ser a medida menos consensual, embora possa permitir o acesso de países afetados a estes corredores ou bolhas turísticas. A Tailândia é um dos estados que pondera abrir algumas zonas do país a turistas, vedando as restantes.


Isto significa que poderão permitir a atividade apenas numa ilha, enquanto o resto do território se mantém isolado e longe do contacto com cidadãos estrangeiros.


“Isso seria benéfico tanto para turistas como para os locais, já que é uma espécie de quarentena”, revela à “CNN” Yuthasak Supasorn, chefe da autoridade tailandesa que regula o turismo.


Passaportes de imunidade


A sugestão mora ainda no campo das hipóteses, apesar de estar já a ser discutida a sua inclusão, caso a ciência venha a comprovar a prevalênca da imunidade à Covid-19 nos pacientes recuperados. Nesse caso, os viajantes imunes teriam direito a um passaporte que permitiria embarcar em aviões e viajar para novos destinos.


A implementação de um sistema deste género é possível, embora esteja ainda num plano teórico. É que não só não está provada a imunidade, como a verificar-se, não se sabe quanto tempo poderá durar. E numa altura em que muitos países lutam para instalar um sistema eficaz de testes à Covid-19, ainda falta muito para que tenham capacidade de fazer milhões de testes serológicos.


A verdade é que a ideia agrada às empresas de aviação, como é o caso da norte-americana Delta Airlines, que se prepara para uma revolução. “Se os passaportes de imunidade se tornarem na nova exigência (…) estaremos na vanguarda de todas essas inovações”, revela o CEO Ed Bastian à “Condé Nast Traveler”.


Embora este tipo de passaportes tenha sido falado ao longo do último mês, só um país lançou as bases para o lançamento. É o caso do Chile, que no final de abril anunciou estar a preparar o sistema de testes e de certificados que permitam colocar os chilenos na rua, prontos para trabalhar. Mesmo sem provas da existência de imunidade.


A possível chegada de uma vacina será outro elemento essencial às viagens, indicam os especialistas, que admitem que será poderá ser exigida prova de vacinação para todos os turistas.


Caso você tenha uma viagem marcada para o exterior, temos uma dica para você economizar!


Durante o mês de maio (até 29/05), você envia ou recebe dinheiro do exterior com Taxa Zero na primeira Remessa e as demais você só paga apenas R$9,90. Válido para todas as naturezas de Remessas Internacionais a partir de USD 500 ou valor equivalente em outras moedas estrangeiras.

tem mais...

Na compra de R$ 3.000,00 em qualquer moeda estrangeira em espécie, você receberá a devolução de 60% do IOF! 

Para participar é simples, clique aqui e garanta agora esta oferta!


Seja nosso parceiro e aumente a sua renda!

Indique a Exchange e seja comissionado pelas suas vendas. Além de oferecer a melhor cotação do mercado, seus clientes contarão com benefícios exclusivos em suas operações e um atendimento especializado. Clique aqui e conheça as vantagens de ser parceiro Exchange!



Fonte: https://nit.pt/out-of-town/viagens/passaportes-imunidade-zonas-turistas-futuro-das-viagens?fbclid=IwAR0MY68F-fAd-i4gV3DlwUOgyKh6rj-gAaGtzrstxJyFk4FICBfLbYDdw88