• 29 Nov 2018

Sem reforma da Previdência, dólar ficará em R$ 5 em 2019, diz BTG

Para o BTG Pactual, o pior cenário para projeção de câmbio considera a reforma da Previdência focada apenas nos funcionários públicos

Por Karla Mamona

Dólar: equipe de analistas considerou ainda mais outros dois cenários para a moeda em 2019 (Gary Cameron/Reuters)

São Paulo – O dólar pode chegar em R$ 5 em 2019, caso a reforma da Previdência, tão esperada pelo mercado financeiro, seja diluída. Este é o pior cenário projetado pelos analistas do BTG Pactual em um relatório publicado na última terça-feira.  

Para que a moeda brasileira sofra esta depreciação frente ao dólar e seja negociada em R$ 5 reais, a equipe econômica do banco considerou um cenário em que a reforma da Previdência seja focada apenas nos funcionários públicos e que ainda ocorra  impasse político em relação a outras medidas necessárias para o ajuste fiscal, como as privatizações.

Além dos problemas relacionados à reforma da Previdência, os analistas consideraram ainda neste cenário que o spread de risco do Brasil, medido pelo CDS (Credit Default Swap) – um indicador de seguro contra a inadimplência – subiria para 400 pontos em 2019 e 2020. No começo de novembro,  CDS estava em 278 pontos.  Além disso, os títulos do Tesouro Americano (Treasuries) de 10 anos e 2 anos estariam em 4% e 3,75% em 2019 e em 4,50% e 4,25% em 2020.


Outros dois cenários


A equipe econômica do BTG Pactual traçou ainda mais dois cenários para projeção de dólar. No cenário-base, considerado mais provável, a moeda americana seria negociada em  R$ 3,90. Nesta projeção, o CDS de 10 anos terminaria em 225 pontos-base, abaixo do nível dos 300 pontos estimado para este ano e os títulos do Tesouro americano para 10 anos encerrariam o ano em 3,50%. 


Segundo o relatório, esse cenário é compatível  com a aprovação de uma reforma da Previdência moderada e com a adoção de outras medidas que possam limitar o gasto público. 


Já em um cenário mais otimista, o BTG Pactual projeta o dólar em R$ 3,40. Nesse cenário, é considerada a aprovação de uma reforma da Previdência semelhante a que foi proposta pelo governo Temer (que prevê uma economia de 800 bilhões de reais nas contas públicas em 10 anos).


Para que a moeda alcance esse valor, o banco aponta ainda que seriam necessárias outras medidas  como redução de despesas, além de privatizações e outras reformas. Nesse cenário, os títulos do Tesouro americano de 10 anos e 2 anos ficariam estáveis em 3% e 2,75%, respectivamente, e cairiam para 2,50% e 2,25% no final de 2020.



Fonte: https://exame.abril.com.br/mercados/sem-aprovacao-da-reforma-dolar-ficara-em-r-5-em-2019-diz-btg/?fbclid=IwAR3S4wWl-UcI0IsJ8esL-gOlv2tgMYNm1EkUPCOegzW_fKIK0lJBVjaBVuQ